Jornal Oportunidades
  O seu portal de bons negócios!  
  Sexta-feira, 20/01/2017  
  Incluir Classificado  
  Quem somos  
  Fale com o editor  

 

Caderno de descobertas

Publicado em 16/01/2017

 Mara Narciso

A revista Manchete tinha uma seção que se chamava “Criança diz cada uma”, de Pedro Block. E diz mesmo. Achei um caderno, que não consultei em 2004, quando escrevi a história do meu filho Fernando Narciso Silveira em “Segurando a Hiperatividade”, pois não me lembrava dele. Anotei no período de dezembro de 1987 e outubro de 1988 as estripulias do menino, desde o nascimento. Lendo-o descubro que contei uma mentira sobre ele ter aprendido a ler sozinho, em agosto de 1987, aos 3 anos e 5 meses. Estranhamente, no caderno, eu não menciono o momento da leitura milagrosa.

Depois do trabalho, passei na UNIMED para pegar as novas carteirinhas. Chegando a casa, joguei os três cartões sobre a cama. Fernando veio me receber e, impulsivo, agarrou o objeto e pela primeira vez leu “Montes Claros”. Estas duas palavras com quatro sílabas de três letras cada uma estavam ao lado da logomarca Unimed, que ele não leu. Ninguém se sentou com ele para ensiná-lo a ler, isso é fato, mas menti ao dizer que tudo seria fruto da televisão. Na verdade, foram perguntas dele e respostas nossas. Alinhavo agora fragmentos da memória do caderno.

Quando meu casamento tinha seis anos e três meses, nasceu Fernando, em 1º de março de 1984. Muitas marcas ficaram da sua tumultuada infância, cuja hiperatividade o dicionário não tem palavras para medir. Ainda não andava, então era colocado no chiqueirinho, em frente à televisão. Em 1985 tinha a novela “Um Sonho a Mais”, cujo tema era “Whisky a Go-Go”, com o Roupa Nova. Os convidados se desmancham no salão, dançando o twist, enquanto meu menino ficava de pé, e, segurando na grade, sacudia o quadril dentro da calça enxuta, rindo as gargalhadas, fazendo tremer o cercado com sua animação incontinenti.

No domingo, eu colocava Fernando no bercinho de lona ao lado da pia, para lavar as panelas. Tomei um susto ao ouvir subitamente um cantor mirim cantando alto e afinado: “chora coração!!”, verso da música de Wando na novela Roque Santeiro, que já acabava, ocasião em que ele tinha 1 ano e 10 meses. Tempos depois, eu tentava me lembrar dos três apelidos que o personagem Sinhozinho Malta dizia, quando se referia ao seu arquirrival Roque: - Carcará Sanguinolento, Sujeitinho e...- Dito Cujo- completou Fernando, com suas assombrosas memória e dispersão, que faz pensar que ele habita outro mundo.

Roberto Carlos cantava “E o café esfriando na mesa”, e aos dois anos mal completados Fernando: na casa de Roberto Carlos não tem garrafa térmica?

No início da Campanha Eleitoral de 1986, os repórteres perguntavam às pessoas na rua, sobre em quem votariam para governador de São Paulo. Fernando fechava a mão imitando um microfone e a colocava diante das nossas bocas, fazia a pergunta do voto, nós respondíamos e depois perguntava a si mesmo dizendo: Simões. Este era o candidato mais fraco e esquecido. Pois era o voto de Fernando, que emendava os outros: Quércia, Maluf, Suplicy, Antônio Hermírio. Dias depois, durante o almoço, Flávio e eu comentávamos sobre política. Eu dizia: Ulisses Guimarães deverá presidir a Assembléia Nacional Constituinte, ainda mais sendo presidente do PMDB... Newton Cardoso também é do PMDB, disse Fernando.

No Natal de 1986, meu filho estava obcecado por tratores, e reconhecia todas as marcas pela imagem nas revistas, sem ver a logomarca: Ford, Caterpillar, Massey-Ferguson, Agrale, Clarck-Michigan, Valmet, CBT, Fiatallis. Eu me esforçava para ampliar-lhe os assuntos. Vi que o comercial das Lojas Arapuã o interessava, especialmente o pica-pau símbolo, chamado Arapinha, que tinha na roupa a letra “A”. Então, eu desenhei o Arapinha, e ao ser informado sobre o que era aquele símbolo, mostrou encantamento. A Rede Manchete era simbolizada pela letra “M”. Foi quando ele ganhou duas camisetas com essa letra no peito. Apontando para si, vestido com uma delas, falou: “M” de Manchetinha, mamãe? Em fevereiro do ano seguinte, com quase três anos, numa viagem a Natal, ao passarmos por Aracaju, começamos uma brincadeira: Aracajá, Aracajé, Aracaji, Aracajó e Aracaju, momento em que Fernando descobriu as vogais.

A sua memória visual impressionava e conhecia todas as marcas, parecendo ler. Nesta época, perguntava o nome das letras, como se escreve isso ou aquilo, por exemplo: como se escreve chá? C-H-A. Porque não é com “x”? Então aconteceu, deixando de lado os tratores. Ler e escrever eram muito mais interessantes.

14 de janeiro de 2017

Entre em contato   Recomende   Imprimir


Colunas Anteriores

09/01/2017 - Ódio adorado em altares

02/01/2017 - Jovem, bela e repórter

26/12/2016 - Não destrua uma amizade

19/12/2016 - Pagu era Patrícia Galvão

12/12/2016 -

Veja mais...